FIAR – UMA TÉCNICA FUNDAMENTAL DE CARTEIO - parte I
(por Carlos Salgado Nunes - Carlão)

A técnica de fiar consiste em quebrar a comunicação entre os oponentes para maximizar a chance do contrato ser cumprido. Através de exemplos vamos mostrar a razão de fiar e também quando não fiar. 

1) Quando estamos carteando 3ST e temos 5 cartas no naipe do ataque, isto é, os oponentes possuem somados 8 cartas, tal como na mão abaixo, duas hipóteses se destacam: o naipe adversário está 4-4 ou 5-3. Assim sendo, se nossa pega é um Ás terceiro, nossa função é fiar 2 vezes para quebrar a comunicação se o naipe estiver 5-3.
AQJ5
94
J62                   LEILÃO (E-O passa sempre)
AJ42                  NORTE   SUL
=====                 1    -    1     -  
! O - E !                 1    -   3ST     -
=====                   -     -   
1094                 Saída 5
A104
AKQ106
106
Raciocínio que Sul deve fazer: temos 5 vazas de Ouros, 1 de Copas, 1 de Paus e 1 de Espadas, logo, a nona vaza tem de ser obtida na finesse de Espadas. Se o naipe de Copas estiver 4 a 4 SUL ao errar a finesse, perde 3 vazas de Copas e o Rei de Espadas, porém se as Copas estiverem 5 a 3, com OESTE tendo 5 cartas e ESTE tendo 3 cartas de Copas, então Sul perde 4 vazas em Copas e o Rei de Espadas. Desta forma o perigo reside nas Copas 5 a 3, razão pela qual é preciso fiar duas vezes para minimizar este risco.

Evidentemente um Declarante (Carteador) que estiver jogando um torneio e esteja desesperado para fazer o máximo de vazas pode correr o risco de fiar uma só vez e tentar a finesse de Espadas. Se acertar ele faz 11 vazas, se errar e as Copas estiverem 6 a 2 ele faz 10 vazas!

Para ser um Carteador que arrisca fiar somente duas vezes é aconselhável observar como os oponentes sinalizam as saídas e o retorno ao atacar ST. Se o adversário sai na quarta carta e a saída for a menor carta do naipe então podemos arriscar fiar somente uma vez pois o naipe adversário estará 4 a 4. No entanto devemos perguntar isso ao adversário pois o procedimento deles pode ser outro, sair na terceira maior em naipe quarto e na  quinta maior em naipe quinto, sexto, etc.

Quando o retorno é feito com carta alta, normalmente indica que o oponente possui 3 cartas, quando o retorno é feito com carta baixa normalmente indica que este oponente tem 4 cartas, ou somente 2 cartas.

Vamos supor que a mão completa fosse:
               AQJ5
                 96 
               J62                                     LEILÃO
               AJ42                        NORTE        SUL
82       ===== K763            1     -      1    -
KJ853 ! O - E ! Q72             1     -      3ST   -
85       !    S    ! 973                -       -
Q973  ===== K85
               1094                            Saída 5
              A104
              AKQ106
             
106
Após a saída de
5 ESTE serve a Q e SUL fia. ESTE retorna 7 e agora perguntamos aos oponentes sua convenção de ataque e retorno. Confirmado que atacam na quarta carta e que o retorno é o padrão de voltar na maior com 3 cartas, nossa análise mostra tendência de 3 cartas neste retorno (falta o 3 e o 2), logo devemos fiar. Se a volta fosse o 2, que indicaria 2 ou 4 cartas, deve-se entrar de Ás pois ou o naipe está 4 a 4 ou 6 a 2, ou seja, ou é impossível quebrar a comunicação entre os adversários, ou entrando de Ás já se quebra a comunicação, o que, para efeito de torneio, é muito importante.

Outro detalhe a ser observado é a psicologia de OESTE caso ele faça a segunda vaza e continue no naipe. Isso se justificaria se ele tivesse uma outra entrada ou quisesse inibir uma finesse contra seu parceiro provocando o carteador a bater por cima um naipe de 8 cartas onde falta a Dama, atitude que se justificaria num torneio de duplas No entanto, num jogo de quadra, OESTE deve mudar de naipe e ser otimista assumindo que seu parceiro pode ter o K10x de Paus acompanhado de K ou A. Ou seja, OESTE, que não tem mão para realizar suas Copas, precisa mudar o ataque para Paus jogando pequeno Paus se tiver honra ou uma grande de Paus se não possuir honra no naipe.

2) Novamente você está carteando 3ST e recebe saída num naipe em que tem somente uma pega.
KQJ10
94
Q62                          LEILÃO
A542                        NORTE   SUL
 = = = =                        1    -   1   -
! O - E  !                        1    -  3ST   -
= = = =                          -      -
954                           Saída 5
A104
AKQ106
76
ESTE serve a Q e o problema agora é que só temos uma pega em Paus. Ou seja, se fiarmos e o naipe estiver 4 a 4 ESTE pode voltar Paus e perdemos 3ST mesmo com Copas 4 a 4. Assim sendo o certo é entrar de Ás e jogar Espadas esperando que o naipe de Copas esteja 4 a 4 ou que em caso contrário ocorra um bloqueio, por exemplo, que ESTE tenha 2 honras seca, nesse caso nosso 10 terceiro quebra a comunicação de um naipe 6 a 2.

No entanto, muitos experientes jogadores costumam fiar pois partem do princípio que é muito difícil para o atacante mudar de naipe após a fiada, mesmo porque ESTE pode ter duas honras terceiras e não visualizar se Sul tem ou não pega nesse naipe de Copas. Por outro lado, se as mãos fossem a que se segue, OESTE deve tomar a iniciativa de mudar de ataque.
                KQJ10
                96
              
J62                                    LEILÃO
               A542                           NORTE    SUL
8           =====  A7632        1     -    1
    -
KJ8532 ! O -  E! Q7               1     -   3ST   -
85         !     S    ! 973               -       -
KQ10    ===== J983
               954                                   Saída 5
              
A104
              
AKQ106
              
76

ESTE faz a Q, SUL fia e ESTE retorna o 7 que se SUL fiar, fica claro para OESTE que o  ataque tem que ser mudado, logo OESTE faz a segunda vaza e joga o Rei de Paus e ESTE chama com o 9 de modo que quando OESTE retorna a Q SUL entra de Ás e vai duas abaixo ao passar pelo Ás de Espadas.

3) Quando se tem duas pegas no naipe adversário, exemplo Axx – Kx, e se precisa estabelecer dois naipes controlados pelos adversários, pode-se fiar a primeira vaza na hipótese do naipe estar 6 a 2 ou 5 a 2 se tivermos Axx – Kxx. Vejamos um exemplo:
                 KQJ10
                  106
                 962                                    LEILÃO
                 AQ42                           NORTE  SUL
8           =====    A7632          1   -   1   -
J98532 ! O - E !  Q7                 1   -  3ST   -
A5         !     S   !   873                  -     -
K10       =====   9853
                954                              Saída 5
                AK4
                KQJ106
                J6

Note que neste carteio tem-se que passar por 2 Áses oponentes e que não se tem problemas em outro naipe lateral, ou seja, não há perigo em fiar a primeira vaza e portanto isso é obrigatório de ser feito para uma eventual quebra de comunicação em Copas. Perceba aqui como isso ocorre.

ESTE faz a Q e SUL fia. ESTE continua com o 7 e Sul é obrigada a ganhar a vaza. Agora SUL joga o Ouros até arrancar o Ás de OESTE que perde sua entrada. Se Sul jogar Espadas ESTE faz o Ás mas não tem mais Copas para retornar, pois a fiada quebrou a comunicação. Se o naipe de Copas estiver 5 a 3 SUL pode ganhar o contrato se acertar arrancar primeiro o Ás que está com OESTE ou se ESTE é que tem os dois Áses. Se o naipe estiver dividido 4 a 4 não há problema. Pois só se perderia 2 Copas e dois Áses.

4) Fiar também se aplica para carteios em naipe, principalmente quando há perigo de corte em saída de dubleton, que é mais provável que seca. Por exemplo:
               A104
              9876
             
962                                            LEILÃO
              A84                                     NORTE     SUL
83        =====   KQJ76                         -     1
    -
A102   ! O - E  !  4                        2     -     4    -
A54     !    S     !  873                     -       -
10762 =====   J953
              52                                      Saída 8
             
KQJ54
             
KQJ10
              KQ
Após a saída de 8, se o Carteador entrar de Ás e jogar trunfo, Oeste faz o Ás e joga o 3 e Este continua Espadas e levanta o 10 de trunfo de Oeste, no entanto se o Carteador fiar a primeira vaza e entrar na segunda a comunicação fica quebrada, pois o Ás de Ouros está com Oeste. 
Vejamos outro exemplo:
          K
J10

          9876
          962                                      LEILÃO
          A84                                   NORTE  SUL  
?  =====  A9743                        -    1   -
?  ! O - E !  42                       2   -    4   -
?  !    S    !  873                      -    -
?  =====  J953
          ?                                          Saída 8
          ?
          ?
           ?
Oeste saiu de 8 o Carteador serve o 10 e você o que faz?
Caso você tenha mais um Ás lateral você entra de Ás e ao retornar Espadas você sinaliza onde está sua entrada. Uma carta grande retornada de Espadas, excluindo Espadas e o trunfo Copas, indica que você quer retorno no naipe de maior hierarquia. Como sobrou Ouros e Paus, então a carta grande de Espadas indicaria que sua entrada está em Ouros. Por outro lado uma carta pequena de Espadas  indicaria que sua entrada está em Paus. Quando você não tem Ás lateral é melhor assumir que não é seca e sim dubleton e portanto servir uma grande
Espadas, chamando, para que, se o parceiro fizer uma vaza de trunfo a comunicação fique aberta, e possa haver um corte posterior. 

É interessante observar que se Este tivesse o Rei segundo de trunfo mal colocado, isto é, na finesse que o carteador pode fazer, fiar a saída de Espadas pode gerar um certo desespero no carteador a ponto dele desistir da finesse e jogar Ás de trunfo e trunfo, o que num torneio de duplas seria algo bom para sua dupla. Além do que a hipótese de dubleton em saída de carta é mais provável que seca. 

Para encerrar, vejamos uma situação em que fiar nada nos adianta e sim, ao contrário, é preciso guardar uma carta do naipe adversário para tentar dar um "Throw-in" final.   
                AQ8
                962
              
J106                                    LEILÃO
               A542                              NORTE   SUL
J7        ===== 10963                  -     -  1ST    -
KJ853 ! O -  E! Q7                      3ST   -    -      -
875     !     S    ! 9543                  
K107   ===== J98
              K542                                   Saída
5
             
A104
             
AKQ
              Q63

OESTE ataca de
5, ESTE serve a Q e Sul fia a primeira vaza. ESTE retorna o 7 e SUL entra de A. Agora é uma questão de testar se as Espadas estão 3 a 3, e caso contrário, limpar a mão, fazendo as todas as vazas de Ouros e dar a mão para OESTE na esperança que ele tenha o Rei de Paus e fique portanto em "Throw-in", caso que ocorre pois OESTE não tem como escapar desse "Endplay" e após fazer suas vazas de Copas retorna o 10 e SUL deixa correr para a Dama fazendo então suas 9 vazas.  

Concluindo, Fiar é um tema fácil que o bridgista intermediário precisa conhecer e dominar para poder ser um bridgista avançado! 

                                         / / / FIM / / /